Cinema

Robert Eggers e a arte do “Terror Gostoso”

Uma das coisas que eu costumo fazer quando estou atôa na internet é acompanhar blogs ou canais de cinema, literatura ou análises em cima disso. Essas mídias têm um aspecto cultural importante, já que eles trazem sempre novas visões e interpretações sobre vários temas, o que nos faz rever nossas ideias ou, o mais legal de tudo, às vezes a gente se depara com algo totalmente novo.

Por muito tempo não fui um grande apreciador de filmes de terror. “É muito jumpscare ou roteiro repetido” – acho que essa frase era tão automática na minha cabeça que eu já desanimava até mesmo de tentar dar qualquer chance para esse estilo de filme. Ocorre que, nesse meu tempinho de bobeira na internet, conheci a Adriana Cecchi. Ela tem um canal excelente no YouTube chamado “Redatora de M*%$#“, onde ela traz dicas e resenhas de livros, lista de filmes e troca uma ideia bem legal com o público que curte esse tipo de conteúdo, além de um blog também. Recomendo demais. E, bem, a Adriana criou um conceito de terror que me ganhou logo quando ouvi o nome pela primeira vez: Terror Gostoso. Você pode acessar a lista no letterboxd, mas, trazendo para cá a descrição de lá, ela define esse conceito como o seguinte:

“Filmes de TERROR PSICOLÓGICO para você distrair a mente ❤ Bons filmes de terror para assistir e imergir. Criei a categoria “terror gostoso” para identificar filmes de terror que valem a pena ser assistidos, aqueles que trabalham a tensão psicológica do começo ao fim.”

Cara, posso dizer com segurança que hoje eu amo um terrorzinho bem feito e isso veio muito desse ponto de vista mais psicológico. Filmes incríveis como “Saint Maud” ou “Ao cair da noite“, que são histórias dentro do terror, mas que te trazem uma sensação totalmente diferente e imersiva ao assistir. É uma listinha obrigatória!

Ainda sobre esse conceito, também venho observando que alguns dos meus filmes favoritos do gênero de terror e afins tem vindo sempre de uma fonte em comum: O diretor Robert Eggers.

O Eggers é um diretor americano, bastante promissor aliás, e muito conhecido pelos seus aclamados trabalhos em “A Bruxa (The Witch)”, “O Farol (The Lighthouse)” e o recente “O homem do Norte (The Northman)”. O cara tem 3 filmes e já redefiniu o conceito de portfólio (risos). A principal característica dele, além dos elementos folclóricos que ele coloca nos seus filmes, é a autenticidade, especialmente nos contextos históricos. Mas o que mais gosto em seus filmes é a atmosfera e aquela tensãozinha gostosa que vai sendo construída aos poucos ao longo da narrativa até queimar de forma maravilhosa. O terror presente em seus filmes é provocador e mexe com nosso psicológico, se encaixando perfeitamente nesse maravilhoso conceito de “terror gostoso“.

Entao eu separei alguns pontos para ilustrar como esse diretor domina a arte desse estilo de filme.

Atmosfera e Autenticidade

The Northman (2022)

Robert Eggers é um cara bem atencioso no que diz respeito ao visual e sensação que seus filmes passam. O cenário, as roupas, a fotografia, nada está ali só por estar, mas se integra com o filme criando um senso de autenticidade e realidade para quem está assistindo. Ele não é o único diretor que faz isso, claro, mas essa tem sido uma de suas marcas principais. Seu filme mais recente, The Northman, é um exemplo perfeito do quão sério o diretor leva essa questão de autenticidade.

The Northman tem suas raízes na história e o diretor se esforça muito para trazer seu enredo o mais próximo possível da realidade. O filme é um sangrento e violento conto nórdico do príncipe Amleth (Alexander Skarsgård) em sua missão determinada pelo destino para vingar o assassinato de seu pai, o rei Aurvandil War-Raven (Ethan Hawke) por seu tio Fjölnir (Claes Bang), e se reunir com sua mãe, a rainha Gudrún (Nicole Kidman). Essa história se passa na Islândia durante a Era Viking.

No caso desse filme, a produção consultou especialistas, incluindo o arqueólogo e especialista da Era Viking, Neil Price, para garantir a precisão dos cenários, acessórios e figurinos do filme. O elenco também passou por um treinamento histórico, tipo como aprender a remar um barco viking como no passado. Apesar dos desafios de usar técnicas de construção tradicionais, a equipe conseguiu criar um mundo viking de aparência extremamente realista, com até mesmo as madeiras expostas dos edifícios pintadas com gesso para aumentar essa sensação. Existe um artigo muito legal sobre toda a montagem e alguns outros detalhes legais sobre esse filme. Vale a pena a leitura.

As decorações em The Northman tem inspirações em artefatos Vikings reais e bem preservados. Na foto: The Oseberg ship, de aproximadamente 800 AD.

E a atmosfera caminha lado a lado com isso. Nas palavras do próprio Eggers:

“Para mim e meus colaboradores, todos nós sabemos qual é a barreira: é a precisão. Isso alinha todos […] Também reduz o tempo, porque sabemos que uma das coisas que isso faz para o público é que o torna mais e mais envolvente, porque a atmosfera é um acúmulo de detalhes. podemos obter mais detalhes mais rapidamente … Mas também, porque estou interessado não apenas no mundo físico, mas no que está dentro da mente da Era Viking, sinto que não posso realmente expressar isso honestamente sem ver como eles expressam-se visualmente.”

O diretor consegue em seus filmes criar um ambiente imersivo e perturbador que atrai o público e o mantém no limite. A iluminação, o design de som e a cinematografia são usados ​​para aumentar a sensação de desconforto. Isso é lindo e isso é genial.

Construção de terror e tensão

Os filmes do Eggers definitivamente não são de Jump Scare ou Gore gratuito. Ele prefere construir a tensão lentamente ao longo da história e geralmente ele é relacionado ao gênero de “terror psicológico”, já que ele usa as lutas internas e os medos dos personagens para criar uma atmosfera de pavor. Gostoso demais!

O resultado disso é que você vai ver um filme com tomadas mais longas, sem pausas e com menos diálogo, isso cria mais tensão em quem assiste. Em “A Bruxa”, por exemplo, há longos períodos de silêncio onde você só ouve a trilha sinistra de fundo. Com isso temos um desconforto desgraçado e somos obrigados e estar o tempo inteiro em alerta, já que a sensação de perigo eminente é constante. Aliás, bora falar sobre esse filme.

A Bruxa (The Witch) – 2015

A Bruxa é um filme de 2015 e eu diria que, dos 3, este ainda é o meu favorito. Além de excelente, eu pessoalmente acho que esse filme abriu a porteira para outras obras, de outros diretores e de gênero e estilo parecido que vieram mais para frente, o que trouxe muito mais vida a essa categoria de terror. Recentemente, temos visto filmes incríveis sendo lançados. Não que não houvessem no passado, mas, durante um certo tempo, o terror ficou meio submerso em obras menos criativas na minha humilde opinião.

Voltando ao enredo, A Bruxa é um filme ambientado na Nova Inglaterra, por volta do século 17, e segue uma família puritana que começa a ter experiencias sobrenaturais após ser banida de sua comunidade. O filme explora bastante temas como fanatismo religioso, dinâmica familiar e o medo do desconhecido.

E a maneira como Robert Eggers constrói esse filme é bem interessante. Ele combina som e visual, através dos planos do filme, para criar essa sensação de desconforto que eu já mencionei aqui. E como ele é ótimo nessa construção, essa sensação vai aumentando gradualmente ao longo da história. O ambiente também ajuda: O filme se passa em uma floresta e a casa onde a família vive está bem isolada, causando um certo pavor. E, claro, o aspecto religioso aqui também é muito forte, já que os pais de Thomasin, filha mais velha e personagem principal na trama, acreditam que estão sendo punidos por Deus. E é justamente a Thomasin quem enfrenta as consequências da paranoia de sua família.

Fanatismo religioso é um dos temas centrais na trama de “A Bruxa”.

Por fim, como já mencionado, temos o ritmo do filme: ele é mais lento e isso ajuda nessa construção gradual de tensão, onde os elementos de terror do enredo vão se tornando mais evidentes com o passar do tempo. Sem sustos exagerados e sustentados especialmente pela trilha sonora que é propositalmente desconfortante. E quando esses elementos atingem seu pico, Eggers entrega uma obra original, transgressora e psicologicamente aterrorizante.

Thomasin tem um arco surpreendente em “A Bruxa”.

Insanidade e trevas

Robert Eggers explora bastante temas mais sombrios, como esse fanatismo religioso de A Bruxa e a vingança em The Northman, além de simbologias sobrenaturais, folclóricas e míticas. Mas ele também é muito bom quando aborda isolamento e loucura. Em A Bruxa temos a família da Thomasin, isolada em uma floresta. Mas esse tema é bem melhor retratado em seu filme “O Farol“, onde o isolamento literalmente leva dois faroleiros à loucura.

Willem Dafoe e Robert Pattinson em “O Farol”.

O Farol se passa em uma ilha remota onde dois faroleiros, incrivelmente interpretados por Willem Dafoe e Robert Pattinson, estão presos juntos. O isolamento, as duras condições climáticas e o ambiente opressivo do próprio farol criam uma atmosfera claustrofóbica e inquietante que, além de contribuir para a sensação de loucura e pavor, acabam com o psicológico dos personagens.

Os próprios personagens também contribuem para essa insanidade. Ambos têm segredos e passados ​​conturbados revelados gradualmente ao longo do filme, e eles começam a se voltar um contra o outro a medida que seus estados mentais vão se deteriorando. Aqui, a linha entre o real e a alucinação é bem tênue, provocando um horror lovecraftiano, com aquela sensação desesperadora de algo desconhecido e que não se explica.

Dafoe interpreta um personagem tomado pela insanidade. Atuação impecável!

Aliás, a loucura é uma peça chave para criar uma experiência assombrosa e atmosférica em O Farol. Ao longo da história, o farol serve como uma representação simbólica da deterioração do estado mental dos personagens. O som constante de buzina, o layout claustrofóbico e labiríntico e a luz sempre presente que enlouquece os personagens contribuem para essa vibe mais inquietante do filme. Robert Eggers também usa a filmagem em preto e branco e eu acho que isso dá um tom ainda mais opressivo e sufocante para a narrativa.

À medida em que os dois personagens mergulham na loucura, seu comportamento se torna cada vez mais perturbador. Eles se envolvem em violência física, discursos bêbados (tem MUITA cachaça nesse filme) e alucinações. E os elementos lovecraftianos, como criaturas marinhas com tentáculos e referências a deuses antigos, reforçam ainda mais a ideia de horror cósmico e ajudam nesse processo de loucura dos personagens.

O Farol não é um filme para qualquer um, tem um ritmo arrastado e uma história que exige atenção e dedicacao total de quem está assistindo. Mas, caso esse estilo de filme seja de seu agrado, saiba que Robert Eggers entrega uma obra de arte.

Especialista em Terror Gostoso

Eggers tem sido uma figura muito importante no gênero de terror devido à sua abordagem única para contar histórias e seu compromisso com a precisão histórica em seus filmes. Sua capacidade em criar uma tensão lenta, pavor atmosférico e sua atenção aos detalhes em design de produção, cinematografia e som são raros. E com apenas 3 filmes ele já mostrou à que veio.

Filmografia de Robert Eggers.

Ao nos desafiar com suas narrativas não convencionais e sem o uso exacerbado de gore ou jumpscare, ele mostra que de fato domina a arte do terror gostoso. Eggers também tem sucesso na criação de um estilo visual distinto que é tanto perturbador quanto envolvente. No geral, é um cara que tem ajudado a redefinir os limites do que pode ser alcançado em termos de narrativa, atmosfera e profundidade temática.

Como ele vai se consolidar, só o futuro dirá. É esperado que um dos seus próximos filmes, Nosferatu, trará novas e gostosas contribuições para esse gênero ao qual temos tanto carinho. Eu tô botando muita fé nesse filme!

Que sempre tenhamos um bom terror gostoso para assistir!

***********************

Obrigado por chegar até aqui! Espero que tenha gostado do papo e te convido a dar uma olhada nos outros textos do blog. Um forte abraço!

***********************

Material de Referência

1 – Letterboxd @dricecchi: “Terror Gostoso” (https://letterboxd.com/dricecchi/list/terror-gostoso/)

2 – Letterboxd: “Robert Eggers” (https://letterboxd.com/director/robert-eggers/)

3 – Time – “The True Story Behind The Northman” (https://time.com/6169501/the-northman-history-behind/)

One thought on “Robert Eggers e a arte do “Terror Gostoso”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *