Ensaios

O Papel do Horror Em Um Mundo Enlouquecido

Acho que não é nenhum segredo que a nossa mente vem passando por uma série de transformações significativas. O estresse da vida cotidiana junto com o bombardeamento constante de notícias quase apocalípticas, guerras ao vivo, fora todo esse lance de IA e essa cachorrada (posso falar cachorrada aqui?) que os algoritmos fazem criando um senso de dependência e auto depreciação terrível através das redes sociais. Tudo isso deixa um impacto profundo no piscológico coletivo. O aumento dos problemas de saúde mental é alarmante e as pessoas enfrentam uma sensação cada vez maior de desconforto e incerteza. Um artigo da Fiocruz estima que 12 bilhões de dias de trabalho são perdidos anualmente por causa da depressão e da ansiedade, custando à economia mundial quase 1 trilhão de dólares. É um problema sério, mas ainda muito estigmatizado.

Fonte: FIOCRUZ

É extremamente importante entender também que qualquer problema relacionado à nossa saúde mental deve ser tratado junto à profissionais, especialmente terapeutas, os quais possuem o conhecimento necessário para lidar com esse tipo de dor e certos traumas. Dito isso, meu objetivo aqui hoje é tentar traçar um paralelo entre esse problema e um dos gêneros mais queridos dentro da literatura e especialmente do cinema: O horror (ou terror ou qualquer que seja o nome que você queira dar para isso).

A pergunta é: qual o lugar desse gênero no nosso mundo atual? Numa era marcada por depressão, ansiedade e uma série de doenças mentais e emocionais, é interessante procurar entender o lugar único que o horror, principalmente o psicológico e certos gêneros de suspense, ocupam na nossa cultura. Esses gêneros são muito mais do que apenas uma fonte de entretenimento, eles têm o poder de capturar e refletir nosso estado mental atual de maneiras que são ao mesmo tempo assustadoras e esclarecedoras. Particularmente não é o meu favorito, mas aprendi a gostar com o tempo. Inclusive, escrevi aqui sobre Robert Eggers e seu domínio no gênero de terror psicológico, ele é um diretor incrível.

Mas voltando ao assunto, esses gêneros fornecem uma plataforma para explorar e abordar essas questões de saúde mental. Por meio de personagens e narrativas, podemos testemunhar os desafios psicológicos que muitas pessoas enfrentam no dia a dia. Ao fazer isso, essas obras abrem uma porta para uma maior compreensão e empatia para aqueles que lutam com esses problemas. Não estamos sozinhos nos nossos medos e entender isso pode ser o primeiro passo para superar alguns traumas.

Um bom exemplo disso está em um estudo feito pela ScienceDirect Journal durante a pandemia de COVID-19. Esse estudo diz que fãs de terror e indivíduos com curiosidade mórbida são mais resilientes psicologicamente durante crises como foi a pandemia. O artigo vai estar no fim desse texto, mas eles explicam isso da seguinte forma em seu “abstrato”:

“Uma explicação para a razão pela qual as pessoas se envolvem em experiências ficcionais assustadoras é que essas experiências podem funcionar como simulações de experiências reais a partir das quais os indivíduos podem recolher informações e modelar mundos possíveis. Realizado durante a pandemia de COVID-19, este estudo (n = 310) testou se o envolvimento passado e atual com ficções mediáticas tematicamente relevantes, incluindo filmes de terror e pandêmicos, estava associado a uma maior preparação e resiliência psicológica face à pandemia.

Como a curiosidade mórbida já foi associada ao uso da mídia de terror durante a pandemia de COVID-19, também testamos se o traço de curiosidade mórbida estava associado à preparação para uma pandemia e à resiliência psicológica durante a pandemia de COVID-19. Descobrimos que os fãs de filmes de terror exibiram maior resiliência durante a pandemia e que os fãs de géneros “preparadores” (filmes de invasão alienígena, apocalípticos e de zumbis) exibiram maior resiliência e preparação.

Descobrimos também que o traço curiosidade mórbida estava associado à resiliência positiva e ao interesse em filmes pandêmicos durante a pandemia. Tomados em conjunto, estes resultados são consistentes com a hipótese de que a exposição a ficções assustadoras permite ao público praticar estratégias de enfrentamento eficazes que podem ser benéficas em situações do mundo real.”

Legal demais, não é? Os gêneros de terror e suspense psicológico são, portanto, um espelho da mente humana. Eles vão até os cantos mais sombrios do medo, da paranóia e da loucura e seu aspecto mais assustador está justamente na capacidade de explorar nossos medos mais profundos, dando a eles vida na tela ou nas páginas. É uma ajuda para confrontar nossos próprios demônios internos, mas eles não deixam de ter também seus impactos negativos.

O Horror como um Comentário Social

Muito da popularidade do gênero de terror vem da sensação de ficar com medo e da satisfação de testemunhar situações aterrorizantes de uma distância segura. Eu mesmo cresci vendo o Jason aterrorizar por aí e o Chucky (o boneco assassino mais fofo do mundo) gritando palavrões e ameaças nas noites do SBT. No entanto, o excesso de filmes nesse estilo meio que levou a uma queda na capacidade do gênero de realmente causar medo. Diz aí, você realmente acha o Chucky assustador? A repetição de temas como Serial Killers, famílias vingativas e ameaças sobrenaturais deu uma “broxada” nesse conceito. Apesar disso, alguns diretores contemporâneos como o próprio Robert Eggers rejuvenesceram com sucesso o gênero do horror, modernizando e atualizando esses elementos clássicos do terror. Com isso, o gênero passou a não somente assustar, mas gerar reflexões nas pessoas ao retratar, de maneira sombria e obscura, temas cotidianos.

Nos dias atuais, terror psicológico e thrillers são mais do que apenas contos. Muitas vezes eles são uma ponte para comentários sociais. São histórias que criticam normas, tabus e questões sociais do nosso dia a dia. Através de narrativas alegóricas, chamam a atenção para problemas do mundo real. Seja sobre o isolamento da vida moderna, a pressão para atender às expectativas sociais ou até mesmo sobre as consequências do excesso de poder, estes gêneros incentivam a discussão e a reflexão sobre as questões que assombram a nossa sociedade.

Acho que um diretor que trabalha bem essa linha social em seus filmes é o Ari Aster. Em 2018, ele estreou na direção com “Hereditário”, um filme de terror que investiga temas de luto e relacionamentos tóxicos dentro de uma família emocionalmente quebrada, enquadrada em uma conspiração de culto. Seu segundo filme, “Midsommar”, explora um relacionamento fracassado entre Dani e seu namorado, Christian, também lidando com o luto e também em um contexto de culto, dessa vez pagão.

Midsommar (2019), Ari Aster

Embora os dois filmes compartilhem alguns elementos no tema, eles tem focos diferentes. Hereditário se concentra na incapacidade de uma família problemática de curar e aprender com seus erros, enquanto Midsommar retrata um relacionamento tóxico em um cenário de terror, criando uma sensação de pavor e desespero. Ambos exploram, através do horror, temas com os quais lidamos no nosso dia a dia.

Jordan Peele, outro grande cineasta americano conhecido por filmes como “Us” e “Get Out“, resumiu bem o terror como comentário social em uma entrevista à Entertainment Weekly em 2017:

“O gênero terror é uma ferramenta perfeita para explorar o comentário social porque é um gênero muito primitivo e visceral. Ele explora nossos medos e ansiedades mais profundos e, quando bem feito, pode servir de espelho para a sociedade e revelar verdades que podem ser difíceis de confrontar de uma forma mais direta.”

Com Get Out (br: Corra), por exemplo, Jordan Peele não apresenta apenas um filme de terror padrão com um protagonista negro. Ele utiliza de forma genial o gênero de horror para fazer os espectadores sentirem como é a vida cotidiana de homens e mulheres negros de verdade.

Corra (2017)

Outros dois bons exemplos de filmes de terror socialmente conscientes são O Bebê de Rosemary e A Noite dos Mortos-Vivos. À medida que a grávida Rosemary fica paranóica com os remédios duvidosos que seu marido e os médicos lhe dão, seu bebê vai se tornando uma alegoria para a libertação das mulheres, e isso foi cinco anos antes da decisão histórica de descriminalização do aborto nos Estados Unidos. A Noite dos Mortos-Vivos, de George A. Romero, foi um filme de zumbi que estabeleceu um modelo para todos os filmes de zumbis que viriam, e reflete quase todos os medos sentimentos na América dos anos 60, do racismo à paranóia da Guerra Fria.

A Noite dos Mortos Vivos (1968) | O Bebê de Rosemary (1968)

De forma similar, “A Bruxa” representa o empoderamento feminino e a liberdade do patriarcado. Thomasin é uma figura feminista. Esse filme brilhante de Robert Eggers (meu favorito dele) ilustra a extensão da subjugação das mulheres na cultura puritana através da perseguição religiosa e social – A redenção de Thomasin começa quando ela rejeita a religião que a deslocou. Tudo isso, usando um ambiente de horror como pano de fundo. Como diria a Adriana do “Redatora de Merda“: Eis aí a arte do Terror Gostoso.

Eu adoro esse termo.

A Bruxa (2015)

Desde o início, o gênero de horror têm refletido atrocidades e eventos que impactaram profundamente nossa sociedade. Isso torna o gênero algo único, uma vez que o medo que ele evoca pode servir como um veículo para a mudança, uma espécie de alerta de que os males retratados nas telas podem encontrar eco em nossa própria realidade. Questões sociais de diferentes tipos têm sido representadas nos filmes de terror que conhecemos e apreciamos. E isso é muito importante, pois esses filmes revelam os aspectos mais sombrios da sociedade. Enquanto muitos filmes clássicos podem nos remeter à época em que foram produzidos, acredito que o terror encapsula a essência do medo em diferentes momentos da história. No geral, o terror é intimamente ligado à sociedade, pois se utiliza dos medos e das normas sociais para criar narrativas de alerta, que, por sua vez, nos ajudam a encarar e superar nossos próprios demônios.

A responsabilidade do gênero na representação da saúde mental

Ok, mas e o papo de saúde mental? Bom, muitos filmes dentro do horror destacam personagens que lidam com problemas de saúde mental, traumas ou demônios pessoais. Quando isso acontece, eles oferecem ao público um vislumbre das lutas enfrentadas pelas pessoas que enfrentam tais problemas na realidade, reduzindo o estigma e aumentando a empatia, além do fato de que o gênero também serve como fuga para certas crises. Eu fui entender só na terapia que pessoas com ansiedade, por exemplo, tendem a ter muita dificuldade em se conectar com o presente. Preocupar-se com o futuro é muito comum e pode ser doloroso, o que acaba ressoando de maneira negativa na nossa mente, onde muitas pessoas às vezes se sentem sobrecarregadas e vulneráveis. Por isso assistir a algo intenso como um filme de terror pode nos proporcionar essa fuga de nossos pensamentos ansiosos.

No entanto (nem tudo são flores, né?), muitas vezes esses filmes também perpetuam estereótipos que podem ser bem prejudiciais. Por exemplo, retratando personagens com doenças mentais como perigosos e violentos. Esse retrato foi popularizado desde os primórdios do cinema, criando um estereótipo de “paciente mental perturbado”. Essa deturpação no gênero pode impactar negativamente os espectadores com transtornos mentais, levando ao autodiagnóstico, à autoestigmatização e à falta de empatia da sociedade.

Joker (2019)

Vamos pegar como exemplo o filme Psicose, de Alfred Hitchcock. Ao final do filme ficamos sabendo que as ações violentas de Norman Bates vêm de seu transtorno dissociativo de identidade (TDI). Embora o transtorno seja sério e possa levar à depressão, transtorno de estresse pós-traumático, automutilação e outros problemas, Psicose usa isso como desculpa para tornar seu antagonista violento. Este é um caso importante em que a saúde mental de um personagem é usada para estabelecer um contexto para sua “loucura”. É esse retrato da doença mental que leva à violência que é o mais prejudicial do gênero. Psicose é um clássico do terror e um filme aclamado até os dias de hoje. Com razão, eu particularmente adoro esse filme. Mas, em uma abordagem mais realista e, porque não, responsável, sofrer de TDI por si só não levaria alguém a agir de forma violenta. Vou deixar no final do texto uma matéria bem legal da CNN sobre o TDI e a influência que os filmes tem causado na visão das pessoas sobre a doença.

Norman Bates em Psicose (1960)

Mas para não dizer que eu não falei das flores, o horror pode sim retratar dilemas atuais de maneira inteligente e responsável. “O Babadook” é um filme de terror psicológico australiano lançado em 2014, dirigido por Jennifer Kent. A trama gira em torno de Amelia, uma mulher viúva que lida com a morte prematura de seu marido e as dificuldades de criar seu filho, Samuel. A história toma um rumo assustador quando um livro de histórias misterioso intitulado “Mister Babadook” aparece em sua casa. O livro descreve uma criatura sinistra chamada Babadook que começa a assombrar a vida de Amelia e Samuel.

Embora esse seja, em muitos aspectos, um “filme de monstro”, o monstro não é necessariamente uma criatura própria. O verdadeiro monstro é a dor e a depressão com as quais a personagem principal tem que lidar. O monstro é a personificação de sua dor. O filme explora a distância e o desespero que acompanham esses estados emocionais e como eles atingem constantemente a mente e o corpo. Ao longo da história presenciamos Amelia mal conseguindo dormir. Ela se arrasta pela vida, sua dor constantemente a puxa para baixo. Ela se esforça para cuidar do filho, mas não consegue encontrar dentro dela a oportunidade de estar perto dele e se abrir.

O filme termina com a personagem aprendendo que o Babadook é algo com que ela deve conviver, ao invés de derrotar. O Babadook é como uma manifestação de seus medos e traumas reprimidos.A perda pela qual ela passou e toda a sua dor sempre farão parte dela. A persistência constante de pavor e sofrimento é uma parte imensa da doença mental, pois é algo que quem está de fora não consegue ver, tornando isso um assunto difícil de explicar em público. Para Amelia, dói ouvir outras mães falarem sobre seus problemas, pois elas nem conseguem se identificar com a dor dela.

Qual a melhor maneira de retratar um “monstro” que não tem cura?

O Babadook (2014)

Precisamos de mais esforço na forma como discutimos a saúde mental. A conversa está aumentando, mas ainda há muito estigma no mundo para fazer o progresso que precisa ser feito. Simplesmente retratar as pessoas com transtornos mentais como “loucas” ou “violentas” torna difícil de alcançá-las pois inserimos nelas o medo de serem julgadas. Existem pessoas em todo o mundo que sofrem de uma variedade de perturbações mentais e nem todas têm a capacidade ou o privilégio de procurar ajuda, por isso sofrem em silêncio. Devemos fornecer e cobrar uma representação mais honesta da saúde mental. E o Horror como gênero nas telas tem muito potencial para contribuir positivamente com isso.

Um espelho valioso para nossa “loucura” coletiva

Apesar dos pontos negativos que precisam de mais atenção, acho que deu para mostrar um pouco como o horror desempenha um papel fundamental em nosso mundo atual. Ele funciona como um espelho para nossa condição coletiva e oferece meios para compreensão, catarse, capacitação e conscientização. Embora possa ser perturbador e sombrio, ele é uma ferramenta valiosa para enfrentar e lidar com os desafios mentais e emocionais de nossa era. Servem como um termômetro para nossos temores coletivos, nos convidando a confrontá-los e superá-los. Citando Stephen King novamente:

O gênero terror é uma ferramenta perfeita para explorar o comentário social porque é um gênero muito primitivo e visceral. Ele explora nossos medos e ansiedades mais profundos e, quando bem feito, pode servir de espelho para a sociedade e revelar verdades que podem ser difíceis de confrontar de uma forma mais direta.

O horror não se limita a proporcionar entretenimento, eles também nos esclarece e nos educa. Nos proporciona oportunidades de crescimento pessoal e, por incrível que pareça, podemos encontrar em seus filmes um certo consolo para essa loucura compartilhada que é o nosso mundo moderno. Um mundo que parece ter perdido a razão. Um mundo enlouquecido. O horror pode ser um faról, por mais tenebroso que seja, que nos guia na escuridão.

Enfim, é um gênero que ocupa esse lugar: O de nos lembrar de que mesmo nos cantos mais obscuros de nossas mentes, há um caminho para a compreensão e, quem sabe, a cura.

***********************

Obrigado por chegar até aqui! Espero que tenha gostado do papo e te convido a dar uma olhada nos outros textos do blog. Um forte abraço!

***********************

Material de Referência

1 – Loud Coffee Press – “Exploring Mental Illness through the Horror Movie Genre” (https://www.loudcoffeepress.com/post/exploring-mental-illness-through-the-horror-movie-genre)

2 – Psycom – “How Horror Movies Exploit Mental Health And Why It Matters” (https://www.psycom.net/mental-health-wellbeing/horror-movies-mental-health-stigma)

3 – Portrayals of Mental Illness – “Portrayals of Mental Illness in Film and the Impact on Viewers, Individuals with Mental Illness, and Mental Health Treatment” (https://amattleresearch.digitalscholar.rochester.edu/portrayals-of-mental-illness-in-film-and-the-impact-on-viewers-individuals-with-mental-illness-and-mental-health-treatment/)

4 – Healthline – “Can Horror Movies Negatively Impact Your Mental Health?” (https://www.healthline.com/health/how-do-horror-movies-affect-your-mental-health)

5 – CNET – “How Scary Movies Can Help You De-Stress, According to Science” (https://www.cnet.com/health/how-scary-movies-can-help-you-de-stress-according-to-science/)

6 – National Geographic – “How horror movies can help people overcome real-world trauma” (https://www.nationalgeographic.com/science/article/how-horror-movies-can-help-overcome-trauma-and-relieve-stress)

7 – ScienceDirect – “Pandemic practice: Horror fans and morbidly curious individuals are more psychologically resilient during the COVID-19 pandemic” (https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0191886920305882)

8 – FIOCRUZ – “Alertas globais chamam a atenção para o papel do trabalho na saúde mental“(https://www.epsjv.fiocruz.br/noticias/reportagem/alertas-globais-chamam-a-atencao-para-o-papel-do-trabalho-na-saude-mental)

9 – PopHorror – “The Social Commentary Beneath Horror Movies – Editorial” (https://pophorror.com/the-social-commentary-beneath-horror-movies/)

10 – CNN Brasil – “TDI: entenda o transtorno em que paciente apresenta mais de uma personalidade” (https://www.cnnbrasil.com.br/saude/tdi-entenda-o-transtorno-em-que-paciente-apresenta-mais-de-uma-personalidade/)

11 – The Guardian – “Why Joker’s depiction of mental illness is dangerously misinformed“, Annabel Driscoll and Mina Husain (https://www.theguardian.com/film/2019/oct/21/joker-mental-illness-joaquin-phoenix-dangerous-misinformed)

12 – Olhe Novamente – “Robert Eggers e a arte do “Terror Gostoso”” (https://olhenovamente.com.br/robert-eggers-terror-gostoso/)

13 – Hereditário (2018), Ari Aster (https://www.imdb.com/title/tt7784604/)

14 – Midsommar (2019), Ari Aster (https://www.imdb.com/title/tt8772262/)

15 – Corra (2017), Jordan Peele (https://www.imdb.com/title/tt5052448/)

16 – O Bebê de Rosemary (1968), Roman Polanski (https://www.imdb.com/title/tt0063522/)

17 – A Noite dos Mortos Vivos (1968), George A. Romero (https://www.imdb.com/title/tt0063350/)

18 – A Bruxa (2015), Robert Eggers (https://www.imdb.com/title/tt4263482/)

19 – Psicose (1960), Alfred Hitchcock (https://www.imdb.com/title/tt0054215/)

20 – O Babadook (2014), Jennifer Kent (https://www.imdb.com/title/tt2321549/)

21 – DW Brasil – “O que mudou após fim do direito ao aborto nos EUA” (https://www.dw.com/pt-br/o-que-mudou-ap%C3%B3s-fim-do-direito-ao-aborto-nos-eua/a-66016372)

One thought on “O Papel do Horror Em Um Mundo Enlouquecido

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *